Hibridação e tradução cultural em tempos de globalização: reflexões sobre o artesanato contemporâneo em perspectiva territorial

Carolina Iuva de Mello, José Marcos Froehlich

Resumen


Dinâmicas globalizantes têm intensificado os contatos de experiências e fricções entre culturas até então distantes, promovendo processos de hibridação em escala territorial. Esse contexto interfere na produção artesanal, cuja representação se aproxima da noção de tradução cultural proposta por Bhabha. Neste artigo analisamos as possibilidades e práticas de hibridação recorrentes nas expressões de valores, formas e saberes de artesãos quando em interações com universos e códigos simbólicos diversos e mais amplos. A partir do método fenomenológico, empreendemos pesquisa empírica junto à Costa Doce, território no Sul do Brasil, no qual a prática artesanal vem sofrendo hibridações no intuito de se tornar expressão de identidade territorial. As considerações finais apontam que os processos de hibridação, nos quais se busca vincular o artesanato à expressão identitária dos territórios, podem ser considerados estratégias relevantes de continuidade da prática artesanal enquanto alternativa econômica não dissociada do simbólico, desde que sejam conduzidas pelos próprios artesãos.


Palabras clave


Globalização; território; hibridação; artesanato; tradução cultural.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.32735/S0718-6568/2021-N59-1463

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2021 Polis Revista Latinoamericana

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.

Universidad de Los Lagos
Centro de de Estudios del Desarrollo Regional y Politicas Públicas-CEDER
República N° 517
Santiago - Chile
Tel.: (56-2) 2675 3064 - 2675 3000

 

logo Ulagos footer                                 logo acreditada footer